05/04/2017

Brazza, o rapeiro palindromista



De lle preguntarmos a Fábio Brazza «E ti de quen ves sendo?», contaríanos que é neto de Ronaldo Azeredo e sobriño neto de Augusto de Campos, dous dos máximos expoñentes da poesía concreta brasileira (que xa tivemos oportunidade de coñecer hai tempo). Se cadra, de aí lle vén a vocación polo enredo coas palabras. E faino con gusto musical e ritmo rapeiro. Así é este músico e poeta, nado en São Paulo, que conta con centos de miles de seguidores na súa canle de Youtube

Encabezando o comentario de hoxe, o vídeo de «Palíndromo», do seu traballo Desafio de Rima. Unha xenial homenaxe aos máxicos textos simétricos! E deseguido, a letra completa, para gozala máis devagar. Seguro que o bo de Fábio volverá por aquí!
Após a sopa, subi no onibus
Rola calor, assam a massa
Odor à rodo...
Saíram Marias, sopapos, socos
Ódio doido
A tio... Manos só na moita
Ao bar fica a cifra boa
A mala gorda, a droga lá... má?
A coca-cola e a lôca coca
A diva da dívida, a dívida da vida
O demônio foi no medo, o pó de cocaína mata maníaco cedo, pô!
Adios, só ida
A tropa aporta, o rito o tiro
Ato idiota
Eeee dó... a pele marrom, morram! Ele pode
A cara rajada da jararaca, aterram a marreta
Acata ou o ataca?
A cama, a maca
O ser preso, a casa lota... Atola!
Saca?
Aaa tá, memo home mata
Alô Brasil, analisar bola
A sua dama, amada USA adora reger a roda
A diva da dívida, a dívida da vida
O ralo do dólar
Alô Brasil, alisar bola
Oi nego gênio, nos dê o gol logo Edson
Ufa! Caca, cafú
Acata a taça
É a arte, tetra... aeee
Aaa, para rapá
Mega bobagem
A ti futebol, lobe, tufita
A trufa, FIFA furta
Amam o bolo, o lobo mama
A grama é amarga
A mala nada na lama
Arroz e zorra
Amor, somos Roma
Subi no ônibus
É todo mês sem o dote
É osso, é?
É fa, memo hora de ralar e dar o homem a fé
A ira, daria?
Lâmina, animal
Soco, seres ocos
Evil, live?
Somos?
Meu, quem somos
Ódio doido
Missa, orar, rezar, trazer raro assim
Rever
Luz azul
Reviver
Rir, o breve verbo rir
Livre do poder vil
Liga AM lá, paro! O rap, alma ágil
O clap, o palco
O papel e papo
Arte, letra...
Áurea da rua
Aula sobre verbos á lua
A sua causa
Aviva
A dama amada
A diva do poeta até o pó da vida
Som tiramos, somamos som a ritmos
Modo, o dom
Ótimo, mito
Mega rima, miragem
Reler e reler
A meta? Tema
Ralar, ralar
É ta afã até raiar
Sacas?
Ame o poema

2 comentarios:

A Churrusqueira dixo...

Falando na verdade, é que 'tá bem giro!

Carlos L. Medrano dixo...

Com certeza!
Haberá que seguirlle a pista a Fabio.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...